energia eólica  

 

 

QUALIDADE.ENG.BR

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U W V X Y Z

Loading

 

A

ABACC - Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares (ABACC) é uma organismo binacional criado pelos governos do Brasil e da Argentina, responsável por verificar o uso pacífico dos materiais nucleares que podem ser usados direta ou indiretamente na fabricação de armas de destruição em massa.

Saiba mais sobre a ABACC

ABEN - Associação Brasileira de Energia Nuclear

Saiba mais sobre a ABEN

ABENDI - Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos e Inspeção. Entidade técnico-científica, sem fins lucrativos, de direito privado, com sede em São Paulo, fundada em Março de 1979, com a finalidade de difundir as técnicas de END e Inspeção, através de ações voltadas ao aprimoramento da tecnologia e, conseqüentemente, do pessoal e das empresas envolvidas no tema.

Saiba mais sobre a ABENDI

ABCQ - Associação Brasileira de Controle da Qualidade, organização não-governamental, sem fins lucrativos.

Saiba mais sobre a ABCQ

ABIMAQ - Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, sociedade civil, sem fins lucrativos, representando, atualmente cerca de 4.500 empresas dos mais diferentes segmentos fabricantes de bens de capital mecânicos

Saiba mais sobre a ABIMAQ

ABINEE - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica, sociedade civil, sem fins lucrativos, que representa os setores elétrico e eletrônico de todo o Brasil, sendo sua diretoria , com mandato de três anos, composta e eleita pelas próprias associadas .

Saiba mais sobre a ABINEE

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. É uma entidade privada, sem fins lucrativos, reconhecida como único Foro Nacional de Normalização através da Resolução n.º 07 do CONMETRO, de 24.08.1992.
É membro fundador da ISO (International Organization for Standardization), da COPANT (Comissão Panamericana de Normas Técnicas) e da AMN (Associação Mercosul de Normalização).

Saiba mais sobre a ABNT

Saiba mais sobre Normas, Regulamentos e Organismos de Normalização

Saiba mais sobre o Termo de Referência do Sistema Brasileiro de Normalização

ABNT / CB-25 - O Comitê Brasileiro da Qualidade da Associação Brasileira de Normas Técnicas, é um dos 57 comitês técnicos da ABNT e tem como objetivo produzir e disseminar as normas de sistemas de Gestão da Qualidade e Garantia da Qualidade e de Avaliação da Conformidade e suas técnicas correlatas, observando as condições atuais de integração econômica internacional e contribuindo para a capacitação tecnológica brasileira.

Saiba mais sobre o ABNT / CB-25

 

AGÊNCIA REGULADORA NUCLEAR - Agência governamental federal, destinada a regulamentar, licenciar e fiscalizar os usos da energia nuclear. Pela sua própria natureza, pressupõe uma independência clara entre ela e as entidades objeto de seu campo de atuação. Na verdade o nome Agência Regulatória seria mais apropriado que Agência Reguladora, visto que a palavra regulatória dá a idéia de regulamentação e atuação licenciadora e fiscalizadora. Por outro lado, a palavra reguladora embute uma idéia de mediação, o que não é o caso.

Saiba mais sobre Agência Reguladora Nuclear

AMN - Asociación Mercosur de Normalización, sociedade civil sem fins lucrativos, não governamental, a qual foi reconhecida através do Grupo Mercado Comum por sua Resolução Nº 2/92. A partir de 4 de abril de 2000 através de um convênio firmado com o Grupo Mercado Comum, o Comitê passou a se chamar Asociación Mercosur de Normalización e se transformou no único organismo responsável pela gestão da normalização voluntária no âmbito do Mercosul.

Saiba mais sobre a AMN

ANA - A Agência Nacional de Águas é uma autarquia em regime especial criada pela Lei nº 9.984 de 17 de julho de 2000, sendo responsável pelo gerenciamento dos recursos hídricos brasileiros.

Saiba mais sobre a ANA

ANAB - ANSI-ASQ National Accreditation Board

Saiba mais sobre a ANAB (em inglês)

ANEEL - A Agência Nacional de Energia Elétrica, é uma autarquia em regime especial, vinculada ao Ministério de Minas e Energia - MME , criada pela Lei 9.427 de 26 de Dezembro de 1996 . Tem como atribuições regular e fiscalizar a geração, a transmissão, a distribuição e a comercialização da energia elétrica.

Saiba mais sobre a ANEEL

AQUECIMENTO GLOBAL - Aumento da temperatura média dos oceanos e do ar, proximo à superfície terrestre, devido ao aumento de gases, tais como o CO2, que aumentam o "efeito estufa", impedindo que o calor da Terra se dissipe. Segundo relatório do IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change - Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas), esse aquecimento é, fundamentalmente, de origem antropogênica, isso é, devido, principalmente à ação humana, resultante da utilização de combustíveis fósseis e outras atividades, como queimadas de largas áreas florestais

Saiba mais sobre o Resumo do Relatório para Formuladores de Políticas Ambientais

Pode não haver aquecimento global na próxima década?

ÁRVORES BRASIL - Site ambiental que tem como objetivo informar sobre as espécies arbóreas brasileiras, o cuidado com as mesmas e sua preservação.

Saiba mais sobre ÁRVORES BRASIL

ASME - American Society of Mechanical Engineers (Sociedade Americana de Engenheiros Mecânicos) - Fundada em 1880, conta, hoje, com mais de 120.000 membros, focados em aspectos de pesquisa, técnicos e educacionais no campo da tecnologia e engenharia mecânica.

Saiba mais sobre a ASME (em inglês)

ASQ - American Society for Quality - Sociedade Americana para a Qualidade - Com sede em Milwaukee, nos Estados Unidos, a ASQ iniciou-se no final da segunda guerra mundial, quando tanto os fabricantes quanto os especialistas em qualidade procuraram por meios para sustentar e desenvolver a multiplicidade de técnicas da qualidade usadas durante a guerra. A ASQ cumpriu um papel importante em desenvolver esses padrões do passado e, ao mesmo tempo, facilitou a inovação contínua no campo da qualidade.

Saiba mais sobre a ASQ (em inglês)

ASTM International- American Society for Testing and Materials - A Sociedade Americana para Testes e Materiais, foi formada há mais de um século, quando um grupo de engenheiros e cientistas se uniram para tratar do problema de frequentes quebras de trilhos na, então, crescente indústria ferroviária. O trabalho desse grupo resultou na padronização do aço utilizado na construção dos trilhos, com a melhoria da segurança ferroviária para o público. À medida que o tempo passou, novos desenvolvimentos nas áreas industriais, governamentais e ambientais, criaram novos requisitos em termos de padronização - ou normalização. A ASTM respondeu a essas necessidades, com normas consensuais que tornaram os produtos e serviços, melhores e com uma maior relação custo-benefício.

Saiba mais sobre a ASTM (en inglês)

Saiba mais sobre normas e organismos de normalização

ATIVIDADES QUE INFLUEM NA QUALIDADE (Usinas Nucleoelétricas) - Atividades tais como, projeto, aquisição, fabricação, construção, montagem, instalação, ensaios/testes, operação, manutenção, reparos, recarregamento, modificações e inspeções, cuja execução precisa ser efetuada no contexto da garantia da qualidade (NORMA CNEN - NN- 1.16)

AUDITOR - Pessoa com atributos pessoais demonstrados, em conformidade com a ABNT NBR ISO 19011 e competência para conduzir uma auditoria. (ABNT NBR ISO 9000:2005)

AUDITORIA - Processo sistemático, documentado e independente, para obter evidencia de auditoria e avaliá-la objetivamente para determinar a extensão na qual os criterios de auditoria são atendidos. (ABNT NBR ISO 9000:2005)

AUDITORIA - Atividade documentada para verificar, através de exame e avaliação de evidências objetivas, se os elementos aplicáveis do Sistema de Garantia da Qualidade foram estabelecidas, documentadas e efetivamente implementadas de acordo com as exigências especificadas. (NORMA CNEN -NN - 1.16)

AUDITORIA INTERNA - Também chamada, algumas vezes, de auditoria de primeira parte, são aquelas conduzidas pela organização, ou em nome dela, para análise crítica pela direção e outros propósitos internos e podem formar a base para a declaração de conformidade de uma organização. Em muitos casos, particularmente em pequenas organizações, a independência pode ser demonstrada pela liberdade oriunda da responsabilidade para a atividade sendo auditada. (ABNT NBR ISO 9000:2005)

AUDITORIA EXTERNA - Inclui aquelas geralmente denominadas auditorias de segunda e terceira parte. Auditorias de segunda parte, são conduzidas pelas partes que têm interesse na organização, tais como cliente, ou por outras pessoas em seu nome. Auditorias de terceira parte são conduzidas por organizações externas, organizações de auditoria independente, tais como aquelas que fornecem certificação/registro de conformidade com a ABNT NBR ISO 9001 e ABNT NBR ISO 14001. (ABNT NBR ISO 9000:2005)

Saiba mais no artigo "CONDUÇÃO DE AUDITORIAS"

AUDITORIA - CLIENTE - Cliente da auditoria é a organização ou pessoa que solicita uma auditoria. (ABNT NBR ISO 9000:2005)

AUDITORIA - CONCLUSÃO - Conclusão da auditoria é o resultado de uma auditoria apresentado pela equipe de auditoria após levar em consideração os objetivos da auditoria e todas as constatações da auditoria. (ABNT NBR ISO 9000:2005)

AUDITORIA - CONSTATAÇÕES - Constatações da auditoria são os resultados da avaliação das evidências da auditoria, coletadas e comparadas com os critérios da auditoria. As constatações podem indicar tanto conformidade ou não-conformidade com os critérios da auditoria, bem como oportunidades para melhorias. (ABNT NBR ISO 9000:2005)

AUDITORIA - CRITÉRIOS - Critérios da auditoria é o conjunto de políticas, procedimentos ou requisitos, que são usados como referência, em relação às quais são comparadas as evidências das auditorias. (ABNT NBR ISO 9000:2005)

AUDITORIA - ESCOPO - Escopo de uma auditoria é a extensão e limites de uma auditoria, podendo incluir, conforme o caso, a descrição das locações físicas, unidades organizacionais, atividades de processos, bem como o período de tempo a ser coberto. (ABNT NBR ISO 9000:2005)

AUDITORIA - EQUIPE - Equipe de auditoria constituída de um ou mais auditores, que realizam uma auditoria, suportada, se necessário, por especialistas, que são pessoas com um conhecimento específico ou experiência relacionados à organização, ao processo, ou à atividade a ser auditada, observando-se que o especialista não atua como auditor. A equipe de auditoria conta com um auditor indicado como líder e pode incluir, também, auditores em treinamento.(ABNT NBR ISO 9000:2005)

AUDITORIA - EVIDÊNCIAS - Evidências da auditoria são registros, apresentação de fatos ou outras informações verifcáveis, pertinentes aos critérios de auditoria. (ABNT NBR ISO 9000:2005)

AUDITORIA - GRUPO DE PRÁTICAS - O Grupo de Práticas de Auditorias ISO 9001 é um grupo informal de peritos, auditores e executores de sistemas de gestão da qualidade (SGQ), oriundos do Comitê Técnico 176 da ISO Gestão da Qualidade e Garantia da Qualidade (ISO/TC 176) e do Forum Internacional de Acreditação (IAF).

Saiba mais sobre o GRUPO DE PRÁTICAS DE AUDITORIAS ISO 9001

AUDITORIA - PLANO - Plano de auditoria consiste na descrição das atividades e das providências para uma auditoria. (ABNT NBR ISO 9000:2005)

AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE - É um processo sistematizado com regras pré-estabelecidas, devidamente, acompanhado e avaliado, de forma a propiciar adequado grau de confiança de que um produto, processo ou serviço, ou, ainda, um profissional, atende a requisitos pré-estabelecidos por normas ou regulamentos, com o menor custo possível para a sociedade. (INMETRO)

AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL (AIA) – É um instrumento de política ambiental, formado por um conjunto de procedimentos capaz de assegurar, desde o início do programa, que se faça um exame sistemático dos impactos ambientais de uma ação proposta (projeto, programa, plano ou política) e de suas alternativas, e que os resultados sejam apresentados ao público e aos responsáveis pela tomada de decisão, e por eles considerados.

(Vide http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=2523)

 

 

 

 política de privacidade